Proclamação da República- 2019

Colégio Fas - Proclamação da República

A Proclamação da República Brasileira aconteceu no dia 15 de novembro de 1889. Resultado
de um levante político-militar que deu início à República Federativa Presidencialista. Fica marcada a figura de Marechal Deodoro da Fonseca como responsável pela efetiva
proclamação e como primeiro Presidente da República brasileira em um governo provisório
(1889-1891).

Marechal Deodoro da Fonseca foi herói na guerra do Paraguai (1864-1870), comandando um
dos Batalhões de Brigada Expedicionária. Sempre contrário ao movimento republicano e
defensor da Monarquia como deixa claro em cartas trocadas com seu sobrinho Clodoaldo da
Fonseca em 1888 afirmando que apesar de todos os seus problemas a Monarquia continuava
sendo o “único sustentáculo” do país, e a república sendo proclamada constituiria uma
“verdadeira desgraça” por não estarem, os brasileiros, preparados para ela.

A República Federativa Brasileira nasce pelas mãos dos militares que se veriam a partir de
então como os defensores da Pátria brasileira. A República foi proclamada por um
monarquista. Deodoro da Fonseca assim como parte dos militares que participaram da
movimentação pelas ruas do Rio de Janeiro no dia 15 de novembro pretendiam derrubar
apenas o gabinete do Visconde de Ouro Preto. No entanto, levado ao ato da proclamação,
mesmo doente, Deodoro age por acreditar que haveria represália do governo monárquico com
sua prisão e de Benjamin Constant, devido à insurgência dos militares.

A população das camadas sociais mais humildes observa atônitos os dias posteriores ao golpe
republicano. A República não favorecia em nada aos mais pobres e também não contou com a
participação desses na ação efetiva. O Império, principalmente após a abolição da
escravidão tem entre essas camadas uma simpatia e mesmo uma gratidão pela libertação. Há
então um empenho das classes ativamente participativas da República recém-fundada para
apagar os vestígios da monarquia no Brasil, construir heróis republicanos e símbolos que
garantissem que a sociedade brasileira se identificasse com o novo modelo Republicano
Federalista.

Fonte: INFOESCOLA

O Dia da Consciência Negra- 2019

Colégio Fas - Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra é comemorado em todo território nacional. Esta data foi escolhida
por ter sido o dia da morte do líder negro “Zumbi”, que lutou contra a escravidão no Brasil.
A celebração relembra a importância de refletir sobre a posição dos negros na sociedade.
Afinal, as gerações que sucederam a época de escravidão sofreram diversos níveis de
preconceito. A data foi estabelecida pelo projeto Lei n.º 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003.
No entanto, somente em 2011 a lei foi sancionada (Lei 12.519/2011) pela presidente Dilma
Rousseff.
Em alguns estados do país, o Dia da Consciência Negra é feriado como no Rio de Janeiro,
Alagoas, Amazonas, Amapá, Mato Grosso e Rio Grande do Sul.

História do Dia da Consciência Negra

As diversas nações africanas não se reconheciam como negros, e sim como Bantos, Haúças,
Niams, Fulas, Kanembus, etc. Os primeiros africanos trazidos para o Brasil como escravos
chegaram aqui em 1532. A abolição do tráfico negreiro deu-se em 1850, pela Lei Eusébio de
Queiroz. Após a abolição formal da escravidão no dia 13 de maio de 1888, a busca da
“liberdade” e da igualdade por direitos dos negros jamais cessou.

O sentimento de discriminação sentido por todos os lados tornou o negro excluído da
sociedade, da educação e assim, marginalizado no mercado de trabalho. Essa exclusão foi aos
poucos se diluindo. O negro encontrava lugar nos esportes e artes, mas não tinha acesso à
universidade, por exemplo. Deste modo, a população negra optou por uma celebração
simbólica dessa luta constante para sua libertação. A criação de um dia comemorativo da
Consciência Negra é uma forma de lembrar a importância de valorizar um povo que contribuiu
para o desenvolvimento da cultura brasileira.

No dia 9 de janeiro de 2003, a Lei Federal 10.639 instituiu o “Dia Nacional da Consciência
Negra”, no calendário escolar. O ensino da cultura afro-brasileira passou a fazer parte do
currículo escolar em todo o país. Durante este período, diversas atividades e projetos são
realizados nas escolas de todo o país para comemorar a luta dos afrodescendentes. Além
disso, tem o intuito de conscientizar a população para a importância desse povo na formação
social, histórica e cultural de nosso país.

Zumbi dos Palmares

Zumbi, nascido num Quilombo (aldeia onde viviam os escravos fugitivos), lutou até a morte
para defender seu povo contra a escravidão. Da escravidão, Zumbi só conhecia as terríveis
histórias que os mais velhos estavam sempre contando. Eles lembravam a morte no porão dos
navios, a escuridão das senzalas, o trabalho escravo e os castigos sofridos. O Quilombo dos
Palmares estava situado numa longa faixa de terra de 200 quilômetros de largura. Estava
paralelo à costa, situado entre o cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, e a parte norte do
curso superior do rio São Francisco, hoje no estado de Alagoas.

Colégio Fas - Livros para leitura

Com o período de férias e a criançada em casa, surge sempre a dúvida nos pais de como entreter de forma sadia a garotada. Para ajudar, O colégio F.A.S preparou algumas dicas de Leitura para a garotada. Confira:

É Pra Ler ou Pra Comer? de Socorro Acioli

Rafael é um menino curioso, que gostava muito ler. Um dia ele descobriu, na casa de sua madrinha, um jornal chamado O Pão e não sossegou enquanto ela não respondeu a sua pergunta: – Afinal de contas, esse Pão é pra ler ou pra comer? Foi assim que Rafael conheceu a história da Padaria Espiritual, um dos movimentos mais importantes do Brasil.

Sou Linda Assim de Pâmela Gaino

Essa é a história de Mafoane Odara contada para crianças. Mafoane é uma menina afrodescendente que começou a estudar em Angola. Quando passou a frequentar a escola no Brasil, percebeu o quanto sua pele e seu cabelo causavam estranhamentos. Em vez de chorar, Mafoane resolveu o conflito baseando-se em uma ideia criativa e cheia de estilo.

Vovó veio do Japão de Janaina Tokitaka, Raquel Matsushita, Mika Takahashi e Talita Nozomi

Em pequenas aventuras repletas de carinho, quatro meninas se divertem com suas avós, que nasceram no Japão e sabem muito bem como agradar suas netas: com brincadeiras, histórias e deliciosos quitutes. Em cada uma das narrativas, você vai conhecer um pouquinho da cultura desse país que parece tão distante, além de aprender receitas japonesas com um toque brasileiro.

Depois dessa super dica é entreter a garotada na leitura e se divertirem.

A história do folclore

A história do folclore

O principal folclorista – isto é, estudioso do folclore – brasileiro (e um dos maiores do mundo), Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), definiu o folclore como: a cultura popular, tornada normativa pela tradição. Com essa definição, Cascudo pretendia destacar exatamente o que o folclore significa, em sua acepção original, dada pelo antiquário inglês William John Thoms: folk significa povo e lore, instrução, sabedoria. Assim sendo, a cultura popular também carrega uma sabedoria, um conjunto de conhecimentos específicos, que se organizam, geralmente, em forma de mitos (narrativas) e rituais (festas, cerimônias etc).

(mais…)

Dia Nacional da Saúde

Dia Nacional da Saúde

Com a alta demanda de alimentos industrializados e de consumo rápido, alimentar as crianças e adolescentes de maneira correta tem se tornado um desafio. A preocupação em proporcionar uma alimentação mais equilibrada vai além do que servir saladas nas refeições.

(mais…)
Diferenças entre sessão, seção e cessão

Na língua portuguesa há muitos termos parecidos, seja no modo de falar ou de escrever. As palavras sessão, seção e cessão representam um caso que gera muitas dúvidas. Vamos tentar aqui exemplificar cada uma para melhor entendimento. Contudo, é importante internalizar o significado de cada uma. Vejamos:

(mais…)

Tudo sobre o Dia do Soldado

Tudo sobre o Dia do Soldado

No dia 25 de agosto comemora-se o dia do soldado. A escolha da data foi em homenagem ao aniversário de Duque de Caxias, Luis Alves de Lima e Silva, que se tornou patrono do exército brasileiro.

(mais…)